• (51) 3221-9565 / (51) 3279-6595 / (51) 99214-9690

  • Facebook Instagram

2771234148_d2d1fccd1b
“O que leva um dente a ter que fazer canal?

Na maioria dos casos é devido a uma inflamação irreversível nos vasos e nervos do dente, devido à presença de microorganismos invasores ou devido a algum trauma (acidente ou excesso de força mastigatória sobre o dente). A contaminação da polpa do dente pode ser decorrente de: bactérias da cárie ou de bactérias da doença periodontal (acesso pela raiz). E recentemente, estudos comprovaram a contaminação por via sanguínea (Anacorese Hematogênica – uma doença viral ou bacteriana do organismo contamina a polpa do dente).

Se algum microorganismo atingiu a polpa do dente, temos que retirar os nervos e vasos do interior do dente. Fazer a limpeza para não deixar bactéria nenhuma e colocar um material restaurador para vedar este vazio. O tratamento endodôntico é similar à limpeza de um pote de vidro para a colocação de doce de compota, ele tem que estar limpo e estéril para não contaminar o doce.

Normalmente, os sintomas caracterí­sticos para que seja indicado o tratamento de canal é a dor espontânea, isto é, o dente começa a doer sem estímulo de forma latejante, não muito bem localizada e que aumenta com o calor. Neste caso a polpa ainda está viva, porém inflamada, e o uso de analgésicos não resolve. Já quando há morte da polpa, geralmente a dor é bem localizada, havendo sensação de dente crescido e dor ao mastigar e quando a pessoa abaixa a cabeça, tem-se a sensação que o dente “pesa”.

Nem sempre que um dente dói é sinal de que necessita de tratamento de canal. Às vezes, a causa pode ser por cárie, sensibilidade do colo do dente por retração gengival, estímulo de carga excessiva por restauração feita mais alta, calor ou frio intenso e doce ou salgado. Nestes casos, removendo-se a causa, a dor desaparece.

O tratamento de canal não é dolorido como muitos dizem. Graças à anestesia, o paciente não sente nada, o tratamento é indolor e, às vezes no caso de polpa morta nem é preciso anestesiar, “morto não sente dor”. O que pode ser desconfortável é permanecer por muito tempo com a dor aberta. Nos casos de polpa viva e sem inflamação geralmente uma sessão de tratamento é suficiente, nos caos de polpa viva e inflamada duas sessões podem ser necessárias. Terminado o tratamento pode acontecer uma sensibilidade pós-operatória nas primeiras setenta e duas horas, decorrente da aplicação de anestésicos e manipulação do dente e que pode ser sanada com a ingestão de um analgésico.

É importante lembrar que quando termina o canal de um dente, este deve se restaurado o mais breve possí­vel para não haver contaminação, evitando a necessidade de retratamento. ”

Fonte: Sorria com Saúde – Dr. Aonio Vieira . Editora: Novo Século

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Olá! Como podemos ajudá-lo?
Entre em contato diretamente pelo WhatsApp clicando no botão abaixo ou pelo (51) 99214-9690.
Powered by